︎︎︎ HOME


Especificidade e (in)traduzibilidade

Escrito em colaboração com Raquel Garbelotti
2004

Este entre-texto é um espaço de desaceleração do uso do termo site specific para pensá-lo em tempo dilatado, transcriado e apropriado no contexto da arte brasileira. A rápida aceitação do termo site specific, traduzido por local específico, ou mais precisamente, arte desenvolvida em local específico, gera um espaço residual — inqualificável — inviabilizando abordagens mais abrangentes do termo. A impossibilidade de pensar o espaço físico sem recair sobre questões nostálgicas do lugar intensifica-se à medida em que o capitalismo tardio lida com realidades permeadas por signos de dominação global. Assim, o processo de intervenção física no local ofusca necessidades de outras ordens (interterritoriais) de apreensão dos lugares por imagens, palavras, signos visuais e textos. Por outro lado, o desapego da idéia de lugar como local físico pode gerar a posição de assimilação acrítica. A postura entre estas duas posições é uma tentativa de desenhar linhas inter-culturais da barreira epistêmica.

︎︎︎ Leia o texto completo (PT)



Specificity and (un)translatability

Written in collaboration with Raquel Garbelotti
2004

This in-between text is a space for the deceleration of the use of the term site specific, in order to think it in dilated, transcreated time and appropriated within the context of Brazilian art. The rapid acceptance of the term site specific, translated into Portuguese as ‘specific place’ (local específico), or, more precisely, art developed within a specific place, generates a residual – unqualifiable – space that renders more encompassing approaches to the term unviable. The impossibility of thinking the physical space avoiding nostalgic issues of the place intensifies as late capitalism deals with realities permeated by signs of global domination. Thus, the process of physical intervention in a place obfuscates the needs for other (inter-territorial) apprehension orders of the places by images, words, visual signs and texts. On the other hand, the waiving of the place as a physical space can generate the position of uncritical assimilation. The stance between such two positions is an attempt to draw the inter-cultural lines of the epistemic barrier.

︎︎︎ Read the full text (EN)
Cargo Collective
Frogtown, Los Angeles
o