[PT]

Concreto é um projeto que propõe uma desleitura da obra “That which joins and that which divides is one and the same”, do artista escocês Ian Hamilton Finlay — uma ponte sobre um riacho feita de duas tábuas robustas de madeira, cada uma com a frase do título entalhada.

Recusando uma “tradução servil”, a frase da obra de Finlay é trazida para o português na forma “Aquilo que une e aquilo que separa é uma mesma coisa só”. As palavras da frase em português são fundidas em blocos individuais de bronze, que por sua vez servem de suporte para uma lâmina de vidro onde está pintada cada palavra da frase original em inglês. Cada par de palavras gerado nas peças produz alguns reflexos e alguns desencontros: joins com une, mas the com coisa e and com mesma.

Essa configuração espacial e material do texto aponta para o aspecto performativo da leitura, dimensão também presente na obra de Finlay. Elaborada da reflexão sobre os processos de leitura e tradução, a obra Concreto opera em conexão com as ideias de “transcriação e transculturação” dos poetas concretos brasileiros. O original traduzido não é apenas texto, mas um híbrido palavra-objeto, uma tran-sição entre duas margens, feita de matéria opaca e pesada, que reivindica presença e visibilidade em sua posição de passagem — elementos que, transformados, se fazem aqui presentes.

Essa obra é tema de um dos capítulos de minha tese de doutorado:

O leitor situado e a instabilidade do original: Ian Hamilton Finlay (PT)

Concreto foi apresentado em:

Galeria Blau Projects – São Paulo, Brasil

[EN]

Concreto is a project that aims to misread the work “What unites and what divides is one”, by the Scottish artist Ian Hamilton Finlay – a bridge over a stream made of two robust wooden boards, each with the carved phrase title.

Refusing a “servile translation”, the phrase in Finlay’s work is brought into Portuguese in the form “What unites and what separates is one and the same”. The words of the sentence in Portuguese are cast in individual blocks of bronze, which in turn serve as support for a glass slide where each word of the original sentence in English is painted. Each pair of words generated in the pieces produces some reflexes and some mismatches: joint with joint, but with things and and with them.

This spatial and material configuration of the text points to the performative aspect of reading, a dimension also present in Finlay’s work. Elaborated from the reflection on the processes of reading and translation, the work Concreto operates in connection with the ideas of “transcreation and transculturation” of Brazilian concrete poets. The translated original is not just text, but a word-object hybrid, a transition between two margins, made of opaque and heavy matter, which requires presence and visibility in its passage position – elements that, transformed, are present here.

This work is the subject of one of the chapters of my doctoral thesis:

The situated reader and the instability of the original: Ian Hamilton Finlay (PT)

The concrete was presented in:

Galeria Blau Projects – São Paulo, Brasil