A autora analisa a origem da arte site-specific a partir da escultura pública e das práticas pós-minimalistas, abordando também as transformações do conceito de site-specificity: da adequação dos trabalhos aos espaços físicos em que se inserem às práticas em que o trabalho se constrói a partir de uma dimensão discursiva específica.

Originalmente publicado em inglês na Revista October 80, 1997, MIT Press.
Tradução publicada na Revista Arte & Ensaios n.17, EBA/UFRJ, Brasil

Texto completo traduzido